As ilhas gregas provavelmente estão na lista de viagens de muita gente, para alguns, isso é um sonho mais distante. Hoje, o Dublinando vai falar um pouco sobre a Grécia, mais especificamente sobre Mykonos.

Eu não sou um conhecedor da Grécia, conheço algumas ilhas e Atenas, mas do pouco que vi, posso afirmar que Mykonos me chamou muito a atenção, por isso, resolvi contar um pouquinho da minha experiência por lá.

A partir de Dublin, o jeito mais fácil de chegar é voando para Atenas. A partir de Atenas, você pode seguir de balsa ou voando (a própria Ryanair voa de Atenas para Mykonos). Londres e Manchester também tem voos diretos para a ilha. Eu optei por voar de Dublin para Atenas, e então seguir de ferry até Mykonos.

Passei um dia inteiro e uma noite na capital grega, o que foi suficiente para conhecer a acrópolis e fazer um tour gratuito a pé. A dica de um stop em Atenas é uma boa ideia para quem, assim como eu, nao quer planejar uma viagem somente para lá. Um ou dois dias são o suficiente para ver o básico da capital, e então seguir para as ilhas (a melhor fatia).

Atenas tem basicamente dois portos. Ambos tem linhas de ônibus diretas que conectam com o aeroporto. Eu peguei a balsa no porto de Pireas, o metrô de Atenas chega até lá. Na volta, optei por pegar uma balsa para Rafina, pois fica mais perto do aeroporto. Eu também comprei os bilhetes das balsas pela internet, mas é bem tranquilo de comprar na hora. A balsa leva em torno de 4 horas, custa em torno de 30 euros e a viagem é muito confortável.

Chegando em Mykonos, você vai desenbarcar provavelmente no porto novo. De lá, você segue para o seu hotel ou pega uma scooter, quadriciculo, carro, etc. Existem também taxis barcos, que conectam com o centrinho de Mykonos. Eu optei por alugar uma scooter, então havia uma pessoa da locadora me esperando no porto. A maioria dos hotéis e das locadoras presta esse serviço gratuito. É altamente recomendável alugar scooter ou quadricículo, pois ajuda muito na locomoção na ilha. Carro é um pouco mais complicado, pois as praias tem pouco estacionamento e algumas ruas são bem estreitas. Existem também linhas de ônibus regulares para as principais praias.

Não existe praia ruim ou feia na ilha, onde quer que você vá, irá se surpreender. Eu fiquei hospedado no sul ilha e conheci as praias mais próximas, é extremamente difícil dizer qual a melhor. Visitei Ornos, Psarou, Platis Gialos e as praias de festas: Paradise e Super Paradise. As ‘baladas’ começam as 4:30 pm e não tem hora para acabar. A maioria dos beach clubs não cobra entrada.

Algo que você não pode perder em Mykonos é o por do sol. O sol se põe literalmente sobre o centro da vila de Mykonos, então no final da tarde, escolha um dos restaurantes ou pegue sua bebida favorita e vá para um lugar mais alto, para assistir esse espetáculo da natureza. Eu optei por tomar um vinho rose (da ilha de Creta) e assistir ao pé de um moinho típico de Mykonos.

No centrinho de Mykonos, você também deve se perder pelas estreitas ruas, cheias de turistas, bares, lojas e restaurantes. Tome um café grego (parecido como o café turco) ou um café gelado (muito comum na Grécia) na Litte Venice, com direito a vista para os famosos moinhos de Mykonos e para o mar.

Mykonos é conhecido pelo vento e também pelos altos preços. Porém, sempre há um jeito de sobreviver, algumas dicas são: evite a altíssima temporada (julho e agosto); alugue um flat onde você possa cozinhar algumas refeições; aproveite o fast food grego, o famoso Souvlak e o Pitta Gyros, você os encontra em qualquer lugar e custa em torno de 3 euros. Não deixe de provar Mousaka, almôndegas, salada grega (regada a muito azeite de oliva de qualidade e queijo fetta) e o iogurte grego, com mel frutas e/ou nozes. As frutas e verduras na Grécia são todas locais e são realmente muito saborosas.

Revisado por Paula Machado em 19/06/2017